Conheça Arlindo Lins Neto, a nova geração da Rota Pichilau

15 de Janeiro de 2021

Arlindo Lins Neto, membro da 3ª geração da Rota Pichilau, possui uma trajetória nada convencional para uma revenda de combustíveis. Fugindo do traje de formação novas gerações dentro do próprio negócio, Lins estudou Administração no Ibmec, no Rio de Janeiro, fez pós-graduação na Saint Paul Escola de Negócios, em São Paulo, e passou alguns anos trabalhando em empresas para o grupo - como a consultoria nacional Falconi.

“Eu acredito que foi importantíssimo ter passado esse tempo fora, principalmente na Falconi, porque eu venho para o negócio com muita bagagem - tanto quanto minha pouca idade permite -, mas venho com muita bagagem de gestão, análise de dados e otimização de processos com uso de tecnologia ”, afirma. Lins garantia que esse conhecimento externo pode ajudar a gerir a rede de forma mais eficiente.

No entanto, a história da Rota Pichilau começa muito antes do nascimento do jovem Arlindo Lins Neto. A rede foi fundada pelo seu avô, Arlindo da Fonseca Lins - a quem seu nome homenageia -, e dois seus irmãos, Fernando e José da Fonseca Lins, há 48 anos, na cidade de Rio Largo, em Alagoas, com o Posto Pioneiro. Atualmente, a rede compreende 15 postos espalhados desde o Rio Grande do Norte até Alagoas, majoritariamente na BR-101, que atravessa esses estados - sua principal especialidade, portanto, são os postos de rodovia. No entanto, uma rede também conta com postos urbanos, nos quais o GNV ganha destaque.

Em entrevista ao Aprix Journal , Arlindo Lins Neto compartilhou suas visões sobre o futuro da companhia e opiniões sobre o desenvolvimento tecnológico na revenda de combustíveis. Confira:


Aprix Jounal - Qual é a visão de Rota Pichilau para os próximos anos na revenda de Combustíveis? Onde a rede quer estar daqui a 10 anos?

Arlindo Lins Neto - O que vemos muito fortemente para os próximos anos, especialmente no nosso nicho de mercado, que são os postos de rodovia, é a consolidação dos postos cada vez mais como pontos de parada, e não como simplesmente pontos de abastecimento. Isso é algo que já é mais consolidado nas regiões Sul e Sudeste do país, mas que vemos como uma tendência que vai ser cada vez mais forte. Temos uma Lei do Caminhoneiro (Lei nº 13.103 / 2015) que vai possibilitar, por exemplo, uma implantação do hot seat, no qual o caminhão não vai parar, os caminhoneiros é que vão revezar a direção do veículo, e isso faz com que os postos oferecem que oferecer uma estrutura cada vez mais robusta para dar apoio ao caminhoneiro. Por outro lado, para o carro leve, vemos que, na estrada, a pessoa que está ali a trabalho ou passeio busca pacotes de dispensa cada vez mais pela estrutura oferecida e pela experiência de compra, e não só por conta do preço do combustível. Então, a nossa visão é a consolidação cada vez maior dos postos de rodovia como pontos de parada, oferecendo serviços completos, muito além do combustível.

A nossa visão é ser referência na rota onde atuamos e é isso que vem guiando todas as nossas ações, elas se alinham com essa expectativa que nós temos de uma estruturação cada vez maior dos postos de rodovia. Oferecer cada vez mais serviços e uma estrutura de ponta, esse é o caminho que nós estamos seguindo. Então, nos próximos dez anos, nós vemos a Rota Pichilau consolidada como uma rede que possui postos completos, oferecendo muitos serviços além do combustível e referências nas rotas onde estivermos presentes.


Aprix Jounal - Você considera importante investir em tecnologia na revenda?

Arlindo Lins Neto - É algo que eu vejo não mais como um diferencial, e sim como uma necessidade básica, como o inglês, que algum tempo atrás era um grande diferencial e, hoje, há setores da economia em que o inglês é simplesmente um requisito básico, como você saber ler e escrever. Então, eu vejo que a tecnologia é algo realmente necessário para sobreviver. Temos um mercado cada vez mais, um cenário de precificação de pacotes que várias vezes por mês, conforme variáveis imprevisíveis, que são o dólar e o petróleo. Então, para acompanhar a precificação, por exemplo, sem uso de tecnologia, você precisa de muita gente gastando muito tempo para que você consiga otimizar suas margens, e pegando o gancho do cenário cada vez mais específica, se você não acompanhar os preços e margens diariamente, provavelmente vai entrar em dificuldade,


Aprix Jounal - Qual você acha que será o futuro da precificação de combustíveis?

Arlindo Lins Neto - Para a precificação de pacotes, o que eu imagino para o futuro é a utilização cada vez maior de softwares como o da Aprix, porque vivemos num cenário no qual os preços dos preços variam quase que semanalmente, devido à precificação do mercado internacional. Isso gera uma demanda de tempo muito grande para análise de custos e de preços por parte dos revendedores. Então, ter uma ferramenta que ajuda a precificar requisitos muito o tempo necessário para fazer essas análises. No nosso caso, tem economizado muito tempo, e estamos muito demonstrados. Então, eu imagino que esse tipo de solução vá se disseminar cada vez mais no mercado.


Aprix Jounal - Como a tecnologia de precificação da Aprix contribui para a gestão da companhia?

Arlindo Lins Neto - Há cerca de três meses, tomamos a decisão de avaliar os preços diariamente. Quando começar a fazer isso, eu, pessoal, gastava duas horas por dia com a nossa analista de preços olhando os valores, margem e volume e decidindo cada preço. No nosso caso, eram em torno de 90 decisões para tomar todo o dia. Postos de Quinze, cada um com aproximadamente seis tipos de pacotes. E aí, hoje, com a Aprix, é um e-mail, que eu gasto 15 minutos lendo e respondo todo dia com base nas sugestões que o sistema já oferece. Ou seja, 1 hora e 45 minutos por dia de economia de tempo e, consequentemente, economia de dinheiro também, porque agora eu consigo focar em outras coisas.

 

 

Quer ficar por dentro das novidades do Aprix Journal? Assine nossa newsletter semanal e receba as últimas reportagens e notícias sobre combustíveis, tecnologia e precificação diretamente em seu e-mail. Ou, se preferir, receba pelo WhatsApp. Basta enviar uma mensagem clicando neste link.



Compartilhe este material