Entenda como a paralisação de caminhoneiros afetou a revenda de combustíveis brasileira

16 de Setembro de 2021

Considerado um país continental, o Brasil tem como base em sua logística o transporte rodoviário de carga. São os caminhoneiros os responsáveis por transportar mais de 60% dos produtos ao longo do país, garantindo não somente o abastecimento nacional de alimentos como também de combustível. Ao todo, de acordo com o relatório realizado pelo Sindipeças e pela Abipeças, são 2 milhões de caminhões de carga compondo a frota brasileira e mais de 70% destes são dirigidos por trabalhadores autônomos. Diante de tal magnitude e importância que o transporte de carga tem no Brasil, ainda que com pouca adesão, qualquer paralisação nas atividades desta categoria coloca em risco o funcionamento de uma grande variedade de setores econômicos, que vão desde a agricultura até a revenda de combustíveis. 

Em 2018, por exemplo, o impacto da greve de caminhoneiros foi visível em todo país. Na época, o aumento no preço tanto do dólar quanto do petróleo acabou repercutindo no valor do óleo diesel, no Brasil, em razão da então nova política de paridade internacional posta em prática na Petrobras. Motivados, então, pelo aumento no preço do combustível, mais de 1 milhão de caminhoneiros paralisaram suas atividades ao longo de 24 estados. Apesar de ter durado apenas 10 dias, a greve deixou diversas regiões brasileiras sem combustível — o que ocasionou as memoráveis filas quilométricas em postos de gasolina —, além de desabastecer supermercados, afetar as atividades da indústria e gerar uma inflação de 1% no mês subsequente. 

Ainda que em proporções significativamente menores, a última semana foi marcada por paralisações em pelo menos 15 estados brasileiros. O movimento ocorreu em meio aos atos realizados no feriado de 07 de setembro, organizados por apoiadores de Jair Bolsonaro. Longe da pauta que uniu centenas de milhares de caminhoneiros em 2018, desta vez, a motivação da categoria foi o fim do comunismo, a exoneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal e, até mesmo, a implantação de um sistema de voto impresso. Neste domingo, dia 12, no entanto, a paralisação foi encerrada após apelo do presidente e do ministro da Infraestrutura. O movimento durou ao todo 5 dias e foi suficiente para ocasionar uma queda de quase 6% nas ações da Petrobras, além de 3,8% do Ibovespa. 

A revenda de combustíveis também sentiu de perto a paralisação e os bloqueios de vias. De acordo com o relatório de inteligência desenvolvido pela Aprix, o qual tem como referência a média de volumes vendidos em 2020, no dia 05 de setembro - três dias antes da paralisação - foi registrado o maior volume de vendas de 2021, ao atingir um percentual de 14.5%. 

Diego Granja, proprietário do Grupo Granja, rede de postos localizados em Sinop, no Mato Grosso, sentiu o impacto da paralisação. “No dia 06, com os rumores da paralisação, houve um movimento 70% maior que o normal e no dia 07, 50% maior. Porém, no dia 08, muitos postos da rede acabaram ficando sem combustível”, relata. Com a liberação das vias, foi possível abastecer os postos, mas o volume de vendas da rede despencou. “Muito cliente acabou estocando combustível, então acredito que a partir da semana que vem teremos de volta o patamar normal de vendas”, espera. Segundo o relatório da Aprix, esse impacto atingiu de modo geral os postos de combustíveis do país. Entre o dia 05 e o dia 12, houve uma queda expressiva no volume de diesel comercializado, passando de 23% para 5% 

Já em relação à gasolina comum, foi observado um volume crescente de vendas entre o primeiro dia de setembro, com 23%, até o segundo dia de paralisação, com 43%. Logo após o dia 09 o combustível registrou uma queda, retornando ao estado observado no início do mês. Também, de acordo com o relatório, entre o dia 05 e o dia 12 de setembro, o preço da gasolina aumentou 5.4 centavos e do diesel, 4.7. Tal aumento também foi observado por Diego e, por isso, adverte que acabará refletindo no preço final. “Como não havia produto, os custos aumentaram, principalmente na Bandeira Branca. Então, consequentemente esse aumento de preço chegará na bomba”, explica. 

 
 
Inscreva-se aqui e receba por e-mail, de forma gratuita durante um mês, amostras dos relatórios consolidados com dados e análises inéditas feitas especialmente para pessoas físicas.
 


Quer ficar por dentro das novidades do Aprix Journal? Assine nossa newsletter semanal e receba as últimas reportagens e notícias sobre combustíveis, tecnologia e precificação diretamente em seu e-mail. Ou, se preferir, receba pelo WhatsApp. Basta clicar neste link, salvar nosso número e nos enviar uma mensagem.

 


Compartilhe este material