Processo de precificação: o papel da integração

29 de Abril de 2020

Assim como muitos dos revendedores com quem temos contato diário, você provavelmente já deve ter se deparado com o termo “precificação dinâmica” e eventualmente se perguntado o que existe dentro dessa caixa preta. Pensando nisso, preparamos uma sequência de conteúdos sobre o processo de precificação utilizando inteligência artificial para detalhar como a tal da “precificação dinâmica” funciona e como o seu negócio pode usar a tecnologia para auxiliar as decisões de preço.

Para começar, separamos o processo de precificação nas revendas de combustíveis em três grandes etapas: (1) coleta de dados, (2) execução dos algoritmos (operações matemáticas e simulações com os dados coletados) e (3) envio das sugestões de preços. É precisamente na primeira etapa que a integração atua e, sem ela, seria impossível realizar as outras duas.

Em termos gerais, a integração trata-se da transferência automática de informações entre o sistema de gestão do posto e o sistema da Aprix. Nos cenários mais comuns, a integração se faz de duas formas. Na primeira, o esforço se concentra na empresa do sistema de gestão do posto, que cria uma interface responsável por transmitir os dados, mediante solicitações periódicas feitas pelo sistema Aprix. Na segunda, nossos próprios desenvolvedores se encarregam de analisar os sistemas de gestão, buscar os dados relevantes e instalar ferramentas que os exportam automaticamente aos nossos sistemas. Em ambos os casos, a vantagem é clara: eliminamos, do lado do revendedor, a tarefa cansativa e demorada de nos enviar relatórios de vendas manualmente. Até o momento, já trabalhamos com mais de dez sistemas de gestão diferentes, e inclusive com redes que utilizam diferentes sistemas em diferentes postos. Importante destacar que para um sistema já conhecido, o tempo de integração é minimizado.

Com os sistemas integrados, inicia-se a importação dos dados. Esses dados são apenas notas fiscais de saída e de entrada, e valores de custo médio e de estoque de cada combustível. Em um primeiro momento, recuperamos o histórico de um ano inteiro, o que resulta em um grande volume de informações sobre comportamentos da demanda. A seguir, iniciamos as importações periódicas dos dados atuais. Tendo coletado tudo isso, os algoritmos podem finalmente ser executados.

No nosso cotidiano na Aprix, graças à integração, monitoramos constantemente a qualidade dos dados recebidos de nossos clientes, o que nos permite capturar tendências em tempo real. Identificando variações do volume vendido, mudanças em custo médio de cada combustível e até mesmo descontos aplicados, de forma que conseguimos transmitir aos revendedores um imenso leque de informações relevantes. Assim, a decisão de preço, normalmente empírica e baseada em um “feeling”, torna-se sistemática e baseada em dados atualizados.


Compartilhe este material